?>

História

As Casas do Povo foram criadas pelo Decreto-Lei n.º 23 051 de 23 de setembro de 1933, funcionando como organizações corporativas do trabalho rural durante o período do Estado Novo, em Portugal. Apesar de reformulações posteriores, é com base neste documento legislativo que a CASA DO POVO DA MADALENA, à semelhança de tantas outras, seria fundada a 23 de agosto de 1973. A Casa do Povo da Madalena é oficialmente fundada nesta freguesia, a instituição manifestou-se sempre de grande importância para os trabalhadores rurais como um impulso de participação na democratização da sociedade portuguesa. A freguesia da Madalena tornava-se assim um local de visita e de passagem por albergar uma atividade que dava voz, estabelecia direitos e deveres aos trabalhadores rurais. Durante uma década a CASA DO POVO DA MADALENA acumulou serviços de apoio social à população (contribuições invalidez, pensões por velhice, etc) numa casa, alugada na rua Tavares Bastos, freguesia da Madalena. Esta instituição era apoiada e dirigida por cidadãos madalenenses e de freguesias vizinhas com o apoio das Juntas de freguesia, que se disponibilizavam de forma gratuita e com espírito de iniciativa e de companheirismo por todos os cidadãos.

Estando certos da importância deste associativismo, em meados dos anos 70, e verificando-se o desenquadrar e o esvaziar de competências no âmbito do apoio na área rural, bem como a verificação de necessidades de equipamentos de apoio à infância, surge a ideia de criar um infantário, no espaço livre que a Casa do Povo dispunha.

Nasceu assim um novo serviço de ramo educativo o Infantário em meados de 1982. Esta resposta social possibilitou a criação de novos postos de trabalho e melhoria dos serviços prestados à população que recebeu esta valência com bastante entusiasmo sendo necessário alargar o espaço físico para dar resposta aos pedidos de inscrições. Foi então que a nova sede da Casa do Povo da Madalena, prestando serviço educativo,  passou para a Rua D. Amália de Lima, pessoa esta que doou o terreno para a construção do novo edifício e que por tal feito recebeu em homenagem a rua com o seu nome.

Em julho de 2001 data em que se centralizaram na sede distrital da Segurança Social de Gaia todas as valências rurais, a Casa do Povo da Madalena foi considerada como Instituição Particular de Solidariedade Social, funcionando com duas valências de Creche e Pré escolar e alargando, mais tarde, o espaço físico e a capacidade de dar resposta ao crescente número de inscrições. Sendo uma IPSS a Instituição, tem como finalidade o exercício da ação social promovendo a inclusão e a integração social, desenvolvendo para tal, diversas atividades de apoio a crianças e jovens e à família. A instituição é ainda constituída por iniciativa de particulares, sem finalidade lucrativa, com o propósito de dar expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre os indivíduos.

Neste sentido a CASA DO POVO DA MADALENA cumpre todos as normas e fundamenta-se nos princípios de solidariedade social, recebendo crianças com idades compreendidas entre os 4 meses e 6 anos e desenvolve atividades que promovem o seu crescimento global e integração na sociedade. Esta instituição é constituída por órgãos sociais (Conselho Fiscal, Assembleia Geral e Direção), sendo a direção responsável pela administração do Infantário que conta ainda com a preciosa colaboração de 20 funcionárias. A equipa pedagógica, constituída por 6 educadoras, das quais uma é, em simultâneo, Diretora técnica planeiam atividades com base nos princípios da instituição como se pode verificar nas linhas que regulam o Projeto Educativo institucional, sendo este plano pedagógico no âmbito da valência pré-escolar articulado com o agrupamento de escolas da Madalena.

Em 2009, passados 26 anos de funcionamento das instalações do Infantário num edifício pré-fabricado, foi necessário reabilitar a valência de creche, construindo-se assim um edifício de raiz e totalmente especificado para as valências creche e pré escolar, mais seguro e adaptado à legislação em vigor. A direção do infantário enfrentou este desafio e candidatou-se a fundos nacionais DREN (pré escolar) e comunitários ON2 (creche), com os apoios institucionais e logísticos da Junta de Freguesia da Madalena e da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, construindo um novo edifício que ficou concluído em dezembro de 2010 e foi inaugurado a 5 de janeiro de 2011, batizado por edifício “José Rangel da Costa”. As novas instalações permitiram o aumento da sua capacidade e uma maior qualidade dos serviços, melhor acessibilidade com espaços amplos, apropriados e seguros, para utentes, colaboradores, dirigentes e visitantes – toda a comunidade educativa no global.

A CPM procura a melhoria contínua dos seus serviços pretendendo dar uma resposta cada vez mais adequada e específica às necessidades dos nossos utentes e sempre ao serviço de uma educação de qualidade. Como tal, desde setembro de 2014 que nos orgulhámos de ser uma instituição certificada de acordo com os requisitos da Norma Europeia EN ISO 9001:2008, segundo os Manuais de qualidade o Ministério de Solidariedade e Segurança Social e acreditada pela Entidade SGS. Neste momento está a fazer a transição para a nova Norma ISO 9001:2015.